fbpx

Transição energética: do uso desenfreado dos recursos naturais à consciência ambiental

10/02/2021

Transição energética: do uso desenfreado dos recursos naturais à consciência ambiental


Escrito
por Quantum

Existe um movimento no mundo que incentiva os setores da economia a adotarem medidas menos agressivas ao clima e à biodiversidade. A idéia é mirar especialmente no uso sustentável dos recursos naturais: na racionalização do consumo de água, no aproveitamento de resíduos, na priorização do uso de biocombustíveis, no aumento da produção orgânica de alimentos e na redução dos poluentes gerados pela produção de energia elétrica – a chamada transição energética.

Essa busca por um planeta mais sustentável não é só um idealismo. É uma tendência que ganha força com a disseminação de uma consciência de que todos podem fazer a diferença no longo prazo e melhorar a vida no planeta – incluindo o âmbito econômico. 

Essa proposta ganhou espaço a partir de 2008, com o lançamento de uma iniciativa do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), a chamada economia verde. A ideia é dar fim ao mito de que a sustentabilidade ambiental interfere no progresso econômico. Assim, o conceito de economia verde tenta demonstrar justamente o contrário: é possível que a economia de um país cresça sem comprometer os recursos naturais do planeta.

A transição energética entra nessa jogada especialmente por meio da produção e do consumo de energia gerada a partir de fontes renováveis, com baixa emissão de carbono e menos poluentes. Essas fontes alternativas de energia vêm fazendo frente ao modelo elétrico mais utilizado no mundo hoje, que se baseia no uso das chamadas fontes não renováveis, ou fontes finitas. Ou seja: em recursos limitados que, um dia, irão se esgotar sem serem repostos.

Mas assim como os demais setores da economia, essa realidade está ficando para trás.

O que é transição energética

Se antes os combustíveis fósseis, como petróleo, carvão mineral e gás natural, por exemplo, costumavam ser a única fonte de produção de energia, hoje essa compreensão está mudando. 

A ideia de transição energética passa justamente pela superação desse método tradicional que utiliza fontes finitas e prejudiciais ao meio ambiente, para encontrar lugar em um modelo mais sustentável. No caso, uma matriz focada na geração de energia por fontes renováveis, como a solar fotovoltaica, o biogás, a eólica, a de biomassa, a geotérmica e a nuclear, por exemplo. 

As mudanças climáticas, a limitação dos recursos naturais e a consciência sobre o meio ambiente, portanto, tem impulsionado as propostas que buscam transformar a maneira como se produz e se consome energia hoje. Essa substituição é indispensável para dar fim ao desperdício e diminuir problemas climáticos, como o efeito estufa, por exemplo. 

Assim, a utilização de fontes renováveis de energia está em alta. Um estudo da Agência Internacional de Energia apontou que a capacidade de energia renovável total do mundo deve aumentar 50% até 2024. 

A Quantum Engenharia faz parte desta transformação do planeta e atende desde residências a grandes usinas solares.

O investimento dessa transformação

Mas, para que a transição energética aconteça, é preciso pensar primeiro em investir nessa mudança. Embora ela não seja barata, é importante considerar uma questão: o sistema irá compensar o investimento inicial em pouquíssimo tempo, logo vindo a reverter a despesa em economia.

No caso da energia solar, por exemplo, o retorno do investimento (ROI) pode se dar em cinco anos, considerando as tarifas elétricas. Já o sistema em si tem uma vida útil que pode chegar a até 25 anos. Ou seja: a usina solar fotovoltaica é capaz de alimentar um determinado local (ou diferentes locais, no caso de residências) por quase três décadas.

Muita gente já está consciente disso. Segundo a BloombergNEF, o gasto em transição energética no mundo atingiu um recorde de 501 bilhões de dólares só em 2020. Esses investimentos ainda tiveram aumento de 9% em relação ao ano anterior, mesmo com a pandemia.

Esse recorde é uma resposta à pressão mundial para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e evitar um agravamento das mudanças climáticas. Afinal, a população mundial está aumentando em média 1,7% ao ano, o que representa cerca de dois bilhões a mais de pessoas nos últimos 30 anos, conforme estimativas da Organização das Nações Unidas (ONU). Além disso, a ONU ainda reitera: o planeta terá cerca de 9,7 bilhões de pessoas até 2050.

Se tudo continuar como está, os recursos naturais do mundo irão se esgotar de forma mais rápida do que imaginamos. Isso torna cada vez mais urgente a adoção de hábitos que deem preferência ao uso de recursos renováveis. A transição energética, portanto, se mostra uma tendência irreversível para um consumo mais consciente, econômico e sustentável. 

Nos últimos anos, a Quantum Engenharia vem participando ativamente dessa mudança. A transformação em energia limpa ocorre desde as residências até a construção de usinas solares que abastecem uma grande região. Justamente por isso, é um orgulho para a empresa apostar em uma tendência em franco crescimento e mergulhada em um cenário de plena consciência ambiental e transição energética.