Fugir da escassez de energia, dos apagões e do aumento constante da conta de luz é uma necessidade mundial no que envolve a geração de energia. Para conquistar sua autonomia energética é possível instalar um sistema fotovoltaico para captação de energia solar, com ele a radiação do sol é convertida em energia elétrica e enviada para a unidade consumidora, que pode ser uma casa ou prédio. Se a quantidade gerada for maior do que o consumo o excedente é automaticamente transferido para a rede geral, sendo transformada em créditos para a fatura.

Os créditos de energia são regulamentados pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) possuindo regras específicas que variam de acordo com a localização e a classe de consumo (residencial, comercial ou industrial).

Os sistemas solares fotovoltaicos, principalmente aqueles integrados as edificações urbanas e interligados ao sistema de distribuição, oferecem diversas vantagens para o sistema elétricos, muitas das quais relacionadas a custos evitados e que ainda não são consideradas ou quantificadas.

Vantagens da geração de energia:

• Redução de perdas por transmissão e distribuição de energia, já que a eletricidade é consumida onde é produzida;
• Redução de investimentos em linhas de transmissão e distribuição;
• Edifícios com tecnologia fotovoltaica integrada não exigem área física dedicada;
• Edifícios solares fotovoltaicos fornecem os maiores volumes de eletricidade nos momentos de maior demanda (Ex.: o uso de ar-condicionado é maior ao meio-dia no Brasil, quando há uma maior incidência solar);
• Quando distribuídos estrategicamente, os geradores fotovoltaicos oferecem mínima capacidade ociosa de geração: por sua grande modularidade e curtos prazos de instalação, podem ser considerados como um Just-in-time de adição de capacidade de geração.

O retorno de investimento no sistema varia de seis a dez anos, porém, onde a radiação solar e a taxa de energia são maiores o retorno é mais rápido. As placas solares têm vida útil superior a 35 anos e exigem pouca manutenção, porque não usam motores nem recursos mecânicos de movimento. A expectativa é que os custos diminuam com o crescimento do mercado.

Observando todos os benefícios da energia fotovoltaica, muitas pessoas podem se perguntar: por que então ela ainda não é largamente utilizada? A principal explicação é o custo, ainda elevado em comparação com as fontes tradicionais de energia. No segundo semestre de 2013, a instalação de sistema fotovoltaico na Alemanha estava em torno de 1,69 mil euros o quilowatt de potência (kWp). No Brasil, o custo varia de 7 a 10 mil reais por kWp. Este valor vem caindo consideravelmente nos últimos anos. A maior queda nos preços ocorreu entre 2008 e 2009, passando de valores altos como US$ 3,5 por watt em 2008 para US$ 2 por watt em dezembro de 2009.

No Brasil os próximos anos são promissores para esse tipo de sistema, desde o final de 2014, quando foi realizado um leilão de energias renováveis e a fotovoltaica foi adicionada à matriz energética do país, já foi determinada redução de impostos para a confecção das placas e o incentivo para a instalação do sistema, o que vai gerar benefícios para os consumidores comuns. Uma alternativa de energia limpa e renovável, opção para o planeta que precisa diversificar os recursos naturais.