De acordo com a Quantum Engenharia, substituição das lâmpadas deve gerar uma economia de até 60% na conta de luz da cidade

O município de Itá, no Oeste de Santa Catarina, entrou na segunda fase do projeto para se tornar a primeira cidade catarinense com iluminação pública 100% LED. A troca das lâmpadas de vapor de mercúrio e sódio por uma tecnologia mais moderna garantirá economia de até 60% na conta de luz da prefeitura, além de reduzir os custos de manutenção a longo prazo.

“As prefeituras estão preocupadas em modernizar o sistema, melhorar a qualidade da iluminação e também economizar. A tecnologia LED tem todos estes benefícios”, completa Gilberto Vieira Filho, presidente da Quantum Engenharia.

Na primeira etapa, 700 luminárias foram substituídas – esse valor é equivalente a 60% da cidade. Agora, até o fim de 2019, o mesmo ocorrerá com mais 520 lâmpadas. De acordo com a prefeitura, o processo é financiado pelo Programa de Eficiência Energética da Celesc e pelo município.

 

Preocupação com os custos e a sustentabilidade

A cidade catarinense segue uma tendência. A redução de custos e a preocupação com sustentabilidade têm gerado mudanças na iluminação pública no Brasil. De acordo com o Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), desde o ano 2000, mais de 2,78 milhões de pontos de iluminação pública, em aproximadamente 1,3 mil municípios do país, foram substituídos por modelos mais eficientes. O uso de uma tecnologia mais moderna, como o LED, ampliou o aproveitamento de áreas de lazer, tornou ruas e tráfego mais seguros e valorizou monumentos e prédios públicos em diferentes cidades do Brasil.

“Podemos dizer que há no Brasil mais de 18 milhões de pontos de iluminação pública. Deste total, uma parte significativa é composta por lâmpadas a vapor de sódio de alta pressão e, em menor escala, por lâmpadas a vapor de mercúrio de baixo rendimento. Ambas apresentam menor potencial de iluminação, durabilidade e economia se comparadas com as de LED”, explica o Gilberto.

A tecnologia LED supera em até três vezes a vida útil das lâmpadas de descarga convencionais. Além disso, proporciona substancial aumento do conforto e percepção visual sem poluir o meio ambiente, pois não possui mercúrio na composição.

 

iluminação pública