Em 2018, a produção de energia solar fotovoltaica brasileira ultrapassou os 2.000 megawatts (MW) de potência operacional.  E as projeções da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR) para 2019 são animadoras. Segundo a entidade, serão investidos mais de R$ 5,2 bilhões (do setor privado) no setor de energia fotovoltaica, o que deve impulsionar ainda mais o já promissor mercado.

Com esses investimentos em usinas e geração de grande porte, o segmento deve bater o recorde de 3.000 MW até o fim de 2019 em sistemas de pequeno, médio e grande porte. Desse modo, espera-se crescer 88,3% neste ano e gerar 15 mil empregos diretos, fundamental para aquecer a economia do país.

Já o segmento de micro e minigeração distribuída solar fotovoltaica (sistemas instalados em casas, comércios, indústrias e edifícios) deve crescer mais de 97% em relação a 2018, com a entrada em operação de 628,5 MW, totalizando 1.130,4 MW em 2019. Assim, a participação do segmento de geração distribuída no mercado solar fotovoltaico subirá para 34,2% até o fim de 2019.

O novo ritmo de crescimento se deve aos investimentos no setor de geração de energia solar fotovoltaica, que gerou diminuição dos custos, e na oferta de financiamentos, que facilitam ainda mais o acesso à energia solar. Atualmente, o retorno do investimento, tanto em micro e pequenos geradores quanto em usinas varia entre três e sete anos.

O progresso do setor é importante não somente para o crescimento econômico, mas também para o desenvolvimento socioeconômico do Brasil.

Confira a projeção da ABSOLAR para 2019:

Energia solar no Brasil

 

Energia solar no Brasil